Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O que faz a diferença: um sonho bom realizável

por Zilda Cardoso, em 10.01.10
Vamos limpar a floresta portuguesa num só dia - 20-03-2010

Uma mensagem a todos os membros de LimparPortugal

Desejos para 2010

O projecto "Limpar Portugal" deseja a todos os Portugueses sem excepção um ano de 2010, pleno de sucesso, saúde, felicidade e muita Paz.

A coordenação nacional crê que o Sonho de tornar Portugal mais limpo se está a tornar uma realidade muito pela responsabilidade de todos vós, temos a certeza que vai ser um dia histórico e que daqui a uns anos vamos recordar o DIA L e vamos perguntar?
 

"Dia 20 de Março de 2010 onde estiveste? No sofá?!!!"

Tal como muitos outros feitos deste povo absolutamente fantástico, no DIA L seremos o exemplo para o Mundo. Podemos não mudar o Mundo mas se tivermos um Portugal mais limpo, teremos um Mundo mais limpo e poderemos ser os "navegadores" e dar novas realidades ao Mundo.


Enviem este postal a todos os vossos amigos (mesmo a aqueles que já fizeram o convite) enviem também a instituições públicas e privadas, figuras públicas, políticos, em especial Sr. Aníbal Cavaco Silva e Sr. José Sócrates (através de seus email's ou página oficial).


Tenham um 2010 TREMENDO
A Coordenação Nacional

Visite LimparPortugal em: http://limparportugal.ning.com/?xg_source=msg_mes_network

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:15

As horas da Alice

por Zilda Cardoso, em 24.11.08

 

 

 

Não me falem em dias de 24 horas. Porque isso é treta!

Desde há um certo tempo, os meus dias não têm vinte e quatro horas, não são de vinte e quatro horas. Ou então as horas não têm sessenta minutos. E não consigo realizar o que pretendo com horas e dias tão pequenos!

Se alguma vez tiveram para mim aqueles minutos todos, isso passou-se há muito. E é pena: preciso bem daquelas vinte e quatro horas de sessenta minutos a que estava habituada para compor aquilo que tenho para compor cada dia.

Há pessoas privilegiadas que conseguem viver dias cheios daquelas horas comuns que todos conhecem.

Eu... não sei.

E não sei o que fazer: estou muito confusa.

Vivo a sonhar com dias compridos, possivelmente em fins-de-semana,  sozinha em casa, em que posso, com tranquilidade e sem que alguém ou algum acontecimento me estremeça, fazer isto ou aquilo. Ou isto e aquilo. Ou não fazer nada.

Em que tenha possibilidade de optar sem vacilantes pensamentos: faço agora isto ou faço aquilo? Ou deixo isto e aquilo para mais tarde e vou fazer aquele aquilo ou aqueloutro?

Por vezes, nalgumas manhãs, julgo que vou conseguir realizar a maior parte das minhas desejadas tarefas daí a pouco, a bem dizer, à tarde, nessa tarde. Porque há a tarde, caramba! Além da manhã, há a tarde.

Mas a meio da tarde, verifico que já não tenho tempo... e fico por de mais alvoroçada.

Interroguei algumas pessoas sobre este assunto. O que realizaram elas de excelente para merecerem o favor de terem tempo? Talvez eu possa corrigir algo que me está a impedir de ter assim um tempo.

Mas elas não explicam. Há pessoas que não partilham... Que havemos de fazer?

 

Por vezes, tenho vontade de reler, revisitar, reviver as histórias da Alice. Já me têm ajudado, noutras ocasiões,  a compreender temas complicados. Por isso, ainda uma vez, folheei um dos meus livros preferidos, de Lewis Carroll.

Ele compreendeu muito bem esta questão fundamental da falta de tempo e a sua Alice soube ultrapassá-la da melhor maneira. Em minutos, ela sonha e fantasia e vive longuíssimas e complexas aventuras cheias de personagens muito desiguais, de ideias e de soluções assombrosas e engenhosas,  histórias que demoram muitas horas só a contar.

 

Estão a ver que não posso acreditar que aquelas sejam horas de sessenta minutos cada.

 

Encontrei! Afinal, é muito simples: são fantasias novas que eu gostaria de viver, quanto mais não fosse, para vo-las contar.

 

"'Fica para outra vez...'; 'A outra vez é já!' Ordenavam as alegres vozes."   

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:52

Tão sedutores!

por Zilda Cardoso, em 10.11.08

São tão bonitos e venenosos, estes habitantes do sous-bois, que  não tenho palavras para falar deles. Deixo, por isso, imagens esclarecedoras, se bem que...

Bom, quero pedir-lhes que não reparem na qualidade técnica das fotografias, mas apenas na beleza perversa dos cogumelos. E dos versos camoneanos. Para que tenham cuidado!

 

 

 

"Quanto incerta esperança, quanto engano!

´Quanto viver de falsos pensamentos."

 

 

"Amor é brando, é doce, e é piedoso,

Quem o contrário diz não seja crido."

 

 

"Mas se meu coração tivera antolhos,

Não vira em vós seu dano e mal funesto."

 

 

"Que o monte, o campo, o rio e a floresta

Se estão de vós, Senhora, namorando."

 

 

"Qual daquelas três flores tomaria

Por mais suave, pura e mais fermosa"?

 

 

 

"Ah! quem de sonho tal nunca acordara,

Pois havia de ver tal desengano!"

 

 

"E se pera perder já a vida é tarde,

A morte não fará que vos não queira."

 

 

"Como quem vê por sonhos um tesouro,

Parece tenho tudo aqui presente."

 

 

(Luís de Camões, Lírica, sonetos)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:42

Quero não esquecer

por Zilda Cardoso, em 23.09.08

 

             foto de Jorge Cardoso 

 

Quero não esquecer

ou reaprender

a linguagem das imagens puras

da imaginação

e do sonho

 

Escrevo para não perder

o olhar o sentir

as coisas límpidas do mundo

da minha infância

o pensar

 

Quero encontrar a exactidão

das palavras

soltas no tempo

não afeiçoadas a um único signo

não recalcadas

 

Desejo um texto criador

transparente

que note

 o que mais importa e conte

algo de mim.

 

... será apenas

um caminhar sombrio

ao encontro do desencontro.

 

 

                    foto de Rita

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

POR... QUÊ?

por Zilda Cardoso, em 07.09.08

 

Pouco a pouco, estou a transferir a minha vida para os escritos - passarão a ser a minha vida.

Por isso, eles são importantes; por isso, devo ter cuidado com o que escrevo.

Às vezes, deslizo, e a coisa não sai muito bem. Mas a vida é assim mesmo, está aí e eu não posso "fingir que não existe" (ouvi isto nalgum sítio ou fui eu que inventei?).

Sinto-me bem no labirinto, procurando soluções para mil problemas, procurando a verdade que não encontrarei.

Porém, não desisto.

Se algum dia a encontrar, digo logo, nestes meus escritos on line. Porque tenho a tentação de ser útil. E calculo saber que a sabedoria, não vem tanto com a inteligência como com a experiência de vida, e, nessa ocasião, terei muita.

Também acho que continua a haver lugar para a filosofia como reflexão e para o espírito inventivo. Para o que chamam a arte da inteligência.

Sabemos que o que interessa é perguntar, não é verdade? A sabedoria estará aí -  na procura da verdade e na procura do amor que serão constantes da nossa vida. A inteligência está na pergunta, a resposta é sempre uma tentativa de resposta, uma procura.

Tenho um sonho, poderei dizer. 

Neste momento em que estou a iniciar uma nova forma de comunicar, o meu sonho é que estes meus escritos sejam estimuladores de opiniões várias e bem fundamentadas e de amizade entre todos nós.

Tenho esperança de que, neste momento, este seja o meio mais adequado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:50




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D