Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


"The answer is blowing in the wind"

por Zilda Cardoso, em 14.09.14

Depois de pequenas viagens incomuns e estimulantes, tenho agora para passar uma semana num lugar de sol, fora das rotas do turismo mais ou menos internacional.

É um Verão muito aventuroso, este.

Vou para uma pousada a quilómetros da cidade e da beira-mar, um palácio do século XVIII. Se bem que não dê, no momento, valor ao palácio, mas muito mais à colocação dele no mundo das coisas que me interessam, e não saiba como ele se situa em relação a isso, aceitei a aventura. E após várias hesitações e esforços, fiquei satisfeita por não ceder a instigações para lugares mais perto do mar e da areia tórrida e da agitação inusitada das esplanadas onde criaturas se queimam voluntariamente ao sol.

Por vezes, agrada-me observar o movimento das pessoas, do sol, das nuvens coloridas; agradam-me as neblinas matinais e as gaivotas estridentes e sempre com rotas definidas, os barcos que levam e trazem mistérios, aproximando-se perigosamente das rochas. Considerarei mesmo o ar carregado de humidade que não posso deixar de respirar.

Possivelmente, vou ter saudades disso tudo, neste pouco tempo, arredada. Assim mesmo, são apenas alguns dias, regressarei a penates e aos nevoeiros em breve, na pior das hipóteses.

Agradam-me, de que maneira, as surpresas e as coisas novas, os pensamentos sérios e raros de que fala Steiner, os brilhos ao longe e os sons suaves aqui. É o ruído das ondas que saboreio, e é também a música de Bach, a frescura, a espontaneidade, a inocência e a procura.

Procura concentrada, a todo o preço: de pessoas estimáveis que acabam por ser muitas em biliões sobre a Terra. Agrada-me a inteligência e a capacidade poética de alguns e palavras relacionadas com isso e os gestos e as boas intenções. Reconheço o imenso valor da verdade, da honestidade, da compaixão e do interesse pelos outros, de que fala o Dalai Lama.

Volto à música, porque é o que mais admiro e prezo e afinal aquilo de que menos sei. Não conheço nada da sua organização formal, da técnica nem da instrumentação. Nem sequer sei o que é “o universo real do som” nem o que é a música, no fim de contas. “A música é ela própria” terá escrito Schopenhauer.

Definir música não é o que mais me importa. Há muitos outros temas que não seria capaz de desenvolver e não acho isso fundamental. No entanto, a música…

“As coisas excelentes são raras e difíceis”, acredito em Espinosa. Talvez eu encontre naquele lugar ao sol, de sol, alguns pensamentos difíceis e ordenados que me ponham tão feliz como quando oiço um certo quarteto de Beethoven ou leio em Heraclito a metáfora admirável que me reconcilia com o mundo.

E tal como G. Steiner, que tenho estado a reler sempre com o mesmo interesse, conseguirei escutar e compreender melhor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:56

UM AMANHECER DIFERENTE

por Zilda Cardoso, em 14.09.09

 

 

 

No princípio existiam o Caos e a Noite, o negro Érebo e o profundo Tártaro; mas não havia a Terra nem o Ar nem o Céu. E a Noite nos infinitos recessos de Érebo gera o primeiro entre todos, o Ovo de negras asas; e deste ovo, fecundado pelos ventos, nasce no devido tempo Eros, o deus cobiçado, de dorso resplandecente e asas de ouro, semelhante aos torvelinhos rápidos como o vento.

 

Assim começou Aristófanes a falar dos primeiros seres divinos, baseado na antiga teogonia órfica. Eu digo de outra maneira, claro, que sei eu? Mas estou igualmente fascinada por aquele amanhecer tão nocturno.
Digo: a luz nasce do nada naquele ninho que se enche dela por magia. Que transborda. Não tem ainda cor, nada cintila. É estranho o tom da luz que irradia.
Os pássaros pesados e negros rondam ameaçadores, por quê?, houve antes festim, quando a luz não era nem esboço. Ainda nada cintila, é verdade, mas já ouço a música de Emanuel Nunes enquanto observo, como se uma orquestra tocasse sem sons visíveis, apenas dentro de mim. É o tom da música que dá aquela espécie de cor a mudar de cor.
Do festim nocturno vai finalmente sair a luz. Da negra noite, vem o dia que há-de ser brilhante.

(Imagem gentilmente oferecida por Marcolino Osório)

(Aconselho-os a vê-la o mais ampliada possível)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:56

FALANDO DE MÚSICA...

por Zilda Cardoso, em 13.06.09

O interessantíssimo artigo que Cidália Carvalho escreveu no blogue http://milrazões.blogs.sapo.pt

sobre “o que a música tem para nos dizer”, fez-me reflectir sobre o que é a música, como surgiu, qual a importância que tem na nossa vida…

Gosto de começar pelo princípio: pus-me a escutar os sons da natureza e depois fui ouvir os meus autores preferidos de música dita clássica mesmo contemporânea e os de música ligeira.

Na Natureza, há sons e há silêncios, não chamaria a isso… música.

Investiguei na Internet e nos dicionários.

Música será a combinação organizada no tempo de sons e de silêncios em sequências sucessivas e/ou simultâneas. Nos sons, consideramos a altura, a duração, a intensidade, o timbre. A organização no tempo implica harmonia, ritmo, melodia.

A altura do som, a duração dele e a sua intensidade são conceitos conhecidos e fáceis de entender; a ideia de timbre é mais complexa já que é a “qualidade que distingue um som do outro da mesma altura e intensidade emitido por instrumentos diferentes.”

Se, em determinado trecho musical, a combinação dos sons simultâneos é agradável ao ouvido, digo que há harmonia nele; se há uma “sequência regular dos valores e tempos fortes e tempos fracos” há ritmo; e se há melodia, isso quer dizer que há um conjunto de sons agradáveis ao ouvido ou que há uma “sucessão rítmica de sons a diferentes intervalos em que a força vital provém da acentuação determinada pelo ritmo.”

Parece fácil! Há que ouvir muito, não apenas deixar que a música deslize e nos deixe aquele efeito apaziguador ou excitante que esperamos, mas estar atento.

Cada cultura, cada época tem a sua música, o seu estilo. A música erudita convida à contemplação e ao silêncio, a outra mais popular que pode estar ligada ao mito e à magia, à religião, ao folclore convoca a participação dos ouvintes que dançam e cantam em coro.

A música popular dos nossos dias mostra com grande vivacidade e agressividade sentimentos muito fortes de protesto, de raiva, de ódio, de inconformismo, de violência… é uma linguagem, mais do que manifestação estética, que tem a intenção de transmitir mensagens com valor afectivo e emocional.

Eu recordo os Beatles, a sua música, e sei que é uma música de conciliação, pelo menos, a que eu aprecio ouvir. É por ela que me sinto atraída e é com ela que me emociono.

Hoje, ouço Yellow Submarine e imagino-me with all my friends aboard, many more of them living next door and the band begins to play...When I find myself in times of trouble, mother Mary comes to me speaking words of wisdom Let it be, let it be, when the broken-hearted people living in the world agree there will be an answser Let it be... E escuto Yesterday love was such an easy game to play, now I need a place to hide away, I believe in yesterday quando all my troubles seemed so far away, now it looks as though they’re here to stay, I long for yesterday …. E as lágrimas correm…

A música é parte da nossa vida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:25

UMA EXPOSIÇÃO DIFERENTE

por Zilda Cardoso, em 03.06.09

 

 

  

 

 A inauguração da exposição de fotografia de A. de Lima na Quinta do Casal  em Ponte de Lima foi um momento de festa apesar da chuva que caiu todo o dia.

Talvez não deva dizer apesar da chuva pois ela terá um significado simbólico, nestas acasiões. Se tem, se quer dizer que tudo vai correr bem e o mundo é de felicidade, pois... ainda bem.

Só pode ter sido uma carga pesada. Ela, a chuva, não abrandou quase nunca e tudo o que estava planeado como música e divertimento teve que ser reduzido ao espaço do interior da Galeria.

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

O grupo musical não esteve no jardim, rodeado de crianças sentadas na relva, mas tocou cantou e encantou. Do seu variado reportório - de Bach a  melodias do nosso tempo - algumas peças foram tocadas com muita delicadeza,  entre os quadros em exposição e o calor do público interessado e próximo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:00

Aimez-vous Brahms?

por Zilda Cardoso, em 25.01.09

Se bem me lembro, esté é o tìtulo de um romance de Françoise Sagan. De cada vez que tenho oportunidade de ouvir Brahms, repito a pergunta para mim própria. Não sei se gosto do compositor. Acho que não gosto.

 

Hoje fui ouvi-lo na Casa da Música, num concerto comentado, ao meio-dia, porque o meu amigo Obama me recomendou que fizesse coisas difíceis, essas me dariam muito maior prazer e definiriam melhor o meu carácter.

 

Estava a casa quase cheia o que me surpreendeu. Havia muito movimento, à frente das bilheteiras formaram-se filas intermináveis. O concerto principiou um pouco mais tarde e terminou minutos passados da hora marcada, demorou rigorosamente uma hora como estava previsto.

 

Foi a Orquestra Sinfónica do Porto dirigida pelo maestro Emilio Pomàrico, italiano nascido na Argentina, que tocou a nº 4 em Mi menor, op. 98, comentada por Rui Pereira.

 

Houve um grande acerto nessa combinação difícil entre o maestro, o comentador, a orquestra e a música para as interrupções constantes e as explicações que resultaram muito propositadas, sábias e estimulantes. Ficamos a entender muito melhor a música de Brahms, esta Sinfonia de Outono, bucólica e contemplativa.

Quanto a mim, terei que voltar a ouvi-la para continuar a ser convencida. Fico muito confusa, talvez porque, como se lê no programa, "a quarta sinfonia de Brahms  representa um equilíbrio perfeito entre a herança do barroco, a clareza das formas clássicas e o ímpeto do romantismo." Um equilíbrio perfeito é o que dizem os entendidos.

 

Rui Pereira tem grande capacidade  para este papel, pois além de ser diplomado em piano, é mestre em performance e doutor em musicologia, crítico musical, conferencista e professor.

Pomàrico tem um optimo curriculo como maestro e compositor, ganhou prémios internacionais de composição e é professor de direcção de orquestra em Milão.

A Orquesta, constituida como sinfónica em 1997, é composta por 97 instrumentistas e reside na Casa da Música desde 2006.

Este ano, a  programação da Casa que é um sucesso na cidade (aparentemente voltamos anos atrás quando a música parecia ser o espectáculo preferido dos portuenses), vai privilegiar compositores e maestros brasileiros.

Estas são as informações que obtive facilmente  a partir dos programas distribuidos à entrada.

Num dia tão tempestuoso e cheio de nuvens como o de hoje, achei que merecia "a oportunidade de tentar obter uma felicidade completa".

Porém, a culpa não foi do Brahms.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48

Descobrimento

por Zilda Cardoso, em 21.07.08

Foto de Jorge Cardoso

 

 

Descubro um mundo antigo inteiro

de pássaros que cantam

pela transparência da manhã

e fazem em festa os ninhos

nos muros de pedra, nos ciprestes

nas oliveiras, espalhando alegremente

perfumes quentes de roseiras

de morangos silvestres

de frescura de fontes e de brilhos.

 

O silêncio apenas regressa com o luar.

 

Então a sombra aquieta-se na noite

e a música é outra e é de longe

ou de mais fundo.

 

O lugar adormece assim dia após dia

e eu não sei se sonhei se é verdadeiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D