Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O cérebro

por Zilda Cardoso, em 22.05.17

À medida que nos desiludimos com as descobertas da ciência em geral, com os seus usos e aproveitamentos duvidosos e mesmo desastrosos, fascinámo-nos com a biologia e em particular com o estudo do cérebro - com a neurociência.

Estarei a misturar disciplinas diferentes, talvez. Na verdade, o que me interessa especificamente é o estudo do cérebro humano. Não é conhecido nenhum outro cérebro animal tão complexo; e dele parece depender senão o UNIVERSO pelo menos TUDO.

Por isso, desde há muitos anos que confesso a minha triste ignorância quanto às razões por que a enormíssima maioria das pessoas passa, de forma manifesta, a maioria do seu tempo, analisando, discutindo os mínimos gestos das estrelas/celebridades e os seus gigantescos e insolúveis problemas, não em termos de tentar resolver seja o que for mas de passar tempo e de gozar, puro gossip, e não procura entender os problemas do sistema nervoso humano de que o cérebro é o ponto central e de que todas as soluções dependem.

De que todas as decisões dependem.

Resulta daí uma monumental gravíssima perda colectiva.

Tento diminuir(!), neste momento, a importância dessa perda, estudando serenamente o sistema nervoso como responsável pelo ajuste do meu organismo ao que me rodeia.

“A sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do corpo e elaborar respostas que se adaptem a essas condições”, na sabedoria da internet...

A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa ou neurónio que estabelece conexões com outros neurónios, originando reacções em cadeia. O neurónio é a célula extremamente estimulável  capaz de perceber as mínimas variações que ocorrem em torno de si, reagindo com uma espécie de alteração electrica. Essa alteração é um impulso nervoso.

É interessante saber que se considera que os seres humanos nascem com o cérebro inacabado. Enquanto outros animais nascem programados para sobreviver com independência apenas algumas horas ou dias após o nascimento, e de repetir os gestos e comportamentos dos seus pais para o resto das suas vidas. No seu programa, está tudo: para eles, não é necessária nenhuma aprendizagem específica.

O cérebro inacabado dos seres humanos não lhes permite sobreviver sem ajuda aquando do nascimento. Têm algumas simples capacidades e não instintos nem comportamentos preprogramados.

Há vantagens e desvantagens nisso. O pensamento que me ocorre é que todos os animais são acarinhados à nascença com programas convenientes de adaptação do seu cérebro ao ambiente que os rodeia, que é suposto rodeá-los, todos excepto os humanos. Que são abandonados em ambientes a que têm que se adaptar pelo seu esforço e inteligência. E que modificam segundo os seus desejos e necessidades, aumentando desse modo a própria inteligência. É o seu trabalho, a sua justificação de existência ou alibi, a sua superioridade: é o que lhes tem permitido as realizações materiais de que se orgulham. E de que sofrem as consequências. E as outras.

Poderei dizer que uma vida, qualquer vida humana, é para estes sobretudo de sacrifício e de sofrimento. E é o que os leva a sonhar com outra vida para além desta, noutro lugar, onde tudo é bom, belo e risonho: e que nunca acabará, um paraíso sem fim - a parte espiritual da existência. Ou mística?

Tenho muito que estudar acerca do comportamento e da função do cérebro. É apaixonante!

Em imagens do livro The Brain, de David Eagleman que estou a seguir, posso comparar os neurónios de um ser humano recém-nascido com os de um ser humano de 1 mês, os de um de 9 meses, um de 2 anos e os de um adulto.

Na primeira imagem, os neurónios estão quase soltos, há poucas conecções entre eles. Porém, aos 2 anos e depois, as células aparecem incrivelmente conectadas, cresceram as ramificações. Na idade adulta, as coneccções são menos e mais fortes.

Os humanos são altamente influenciados pelo meio em que vivem e influenciam-no. Daí as nossas descobertas, invenções, construções. Daí também que se considere o seu cérebro permanentemente inacabado: sabemos que  vamos continuar a tomar decisões e a acrescentar detalhes ao sistema, enquanto vivermos. Viver é experimentar; logo, é acrescentar, isto é, construir sonhos e memórias, pensamentos e imaginação, também. Permitimos que o exterior nos molde e esforçarmo-nos por o moldar de acordo com desejos e necessidades difíceis de determinar.

Faz sentido que continuemos nestas complicadas funções enquanto vivermos, que nos esforcemos por isso. Viver para os humanos, nunca foi outra coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:29


4 comentários

De Zilda Cardoso a 12.06.2017 às 15:12

Ninguém sabe quais são os humanos limites de alguém. Nem os seus próprios. É por isso que vamos lutando, não é?
Um abraço
ZM

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D