Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O caos de PEDRO AMARAL

por Zilda Cardoso, em 02.02.16

 

DSC03573.JPG

No princípio era o caos, confuso, indistinto, desordenado, diziam os sábios clássicos tentando explicar a origem de todas as coisas. As coisas foram ganhando forma (eram matéria e força), foram-se separando e saindo do caos, puderam ser explicadas, fomos compreendendo…

A ordem no mundo foi sendo estabelecida e continuamos na imensa tarefa de ordenar o caos, de o transformar em cosmos. Convencemo-nos de que não podíamos viver sem lei nem ordem, e sem organização não sabemos raciocinar.

Até agora, continuamos a tentar conter o caos nos seus limites, sabendo que nos ameaça e a todo o momento está prestes a irromper e a baralhar o nosso mundo.

Em certo momento, percebemos que há ciclos e aquilo a que alguns chamam eterno retorno. É uma esperança?

Quando olho para alguns quadros de Pedro Amaral, como este no catálogo da Galeria Quadrado Azul, não posso deixar de lembrar estes Grandes Pensamentos.

É um quadro de enormes dimensões e, num primeiro momento de observação, é caótico – mistura culturas diferentes, espaços e épocas além de técnicas muito variadas. Usa fontes e referências próprias do cinema, da publicidade, da banda desenhada, da ilustração… e temáticas que são sobretudo crítica ao viver das sociedades contemporâneas.

Usa os ícones da política e da propaganda e o erotismo em imagens por demais conhecidas com novos significados. A aparente mistura, confusão e sobrecarga informativa pode ter como objectivo acentuar o sentido que lhe quer dar. E chamar a atenção para os problemas que nos devem preocupar: para os vícios da moda e da sedução, para o provisório, o entretenimento…

Se pretende atingir um equilíbrio formal em cada quadro, penso que conseguiu mais uma vez.

 

DSC03575.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:24


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D