Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Tapadas e Jardins

por Zilda Cardoso, em 12.10.09
 
Há dias em Lisboa, percorri parques, praças e ruas, andei cheirando alegremente por lá; por momentos pensei que eles têm jardins muito mais bonitos, mas na verdade não é isso que importa. Estes existem e podemos vê-los e gozá-los, pertencem a todos - lisboetas, portugueses, europeus… Os jardins são universais.
  
Verifiquei se estavam lá, que tal o estado de saúde de árvores e pavimentos e lagos, cores e perfumes e patos-reais (para mim, são todos reais). Divertem-me tanto, mas são tão rápidos que, por mais tentativas, não consigo apanhar a submersão deles em tempo real. Eles são assim daqueles seres que apenas necessitavam de tocar a superfície do mundo para me deixarem encantada. No entanto, vão muito além da superfície ou aquém: mergulham.  
 
 

Foi na Tapada das Necessidades, onde os pavimentos estão sem conserto e dificultam o passear. Porém, garante-nos um cartaz, e eu acredito neles ali tão bem postos, que tudo vai ser refeito em Setembro, que já era, sem ter terminado.

 
Vi uma árvore exibindo flores esplêndidas, maduras e doces de fim de Verão. Era num outro jardim, em frente, ao fundo o rio e a ponte… o céu tranquilo e azul acima de tudo, lá onde não sinto a pressão da cidade, a sua vida e o movimento sem termo, só música segredando segredos.

Fiquei fascinada e queria mostrá-la. Vou mostrá-la apesar da maldade da fotografia.

Vejam outra, de mais perto, sei que há alguém que me vai dizer o nome dela, o nome de qualquer ser é importante para classificação e para agrupar.

 
 
Há muitas em Lisboa da mesma família, com aquele porte.
E, lá estou eu de novo a comparar - não me recordo de as ver no Porto, provavelmente não se adaptam ao clima não-sofisticado, rude mesmo, ou a cor da rosa, intensa, é considerada mais apropriada para cidades joviais e modernas.  Que usam batom e brilho. Silicones e essas coisas.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:30


12 comentários

De CC a 15.10.2009 às 21:54

Zilda,

Acho que se forem observadores vão reparar nas nossas camélias e se admirarem o belo vão ficar surpreendidos...

Bjnh

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D