Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Tão sedutores!

por Zilda Cardoso, em 10.11.08

São tão bonitos e venenosos, estes habitantes do sous-bois, que  não tenho palavras para falar deles. Deixo, por isso, imagens esclarecedoras, se bem que...

Bom, quero pedir-lhes que não reparem na qualidade técnica das fotografias, mas apenas na beleza perversa dos cogumelos. E dos versos camoneanos. Para que tenham cuidado!

 

 

 

"Quanto incerta esperança, quanto engano!

´Quanto viver de falsos pensamentos."

 

 

"Amor é brando, é doce, e é piedoso,

Quem o contrário diz não seja crido."

 

 

"Mas se meu coração tivera antolhos,

Não vira em vós seu dano e mal funesto."

 

 

"Que o monte, o campo, o rio e a floresta

Se estão de vós, Senhora, namorando."

 

 

"Qual daquelas três flores tomaria

Por mais suave, pura e mais fermosa"?

 

 

 

"Ah! quem de sonho tal nunca acordara,

Pois havia de ver tal desengano!"

 

 

"E se pera perder já a vida é tarde,

A morte não fará que vos não queira."

 

 

"Como quem vê por sonhos um tesouro,

Parece tenho tudo aqui presente."

 

 

(Luís de Camões, Lírica, sonetos)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:42


6 comentários

De Laurinda Alves a 10.11.2008 às 17:54

Que giro este filme do cogumelos e que giras as cores, as texturas e formas tão variadas. Muito bom um post sobre este mundo sous-bois a meio de uma tarde vivida a mil na cidade. Soube bem e fez-me sentir que pus os pés na terra!

De Romina Barreto a 10.11.2008 às 19:22

Adorei a ligação do poema com as imagens. Que extraordinário!

E que bom existir este blog ao fim do dia...coisas como estas enchem-me de certezas.

Obrigada Zilda!

Um abraço!

Romina Barreto

De Zilda Cardoso a 10.11.2008 às 20:59

Querida Romina
Gosto muito de receber os seus comentários, são bem-vindos sempre e tão simpáticos. Os cogumelos são extremamente atraentes, os mais venenosos. E há os bons, claro, que não serão tão bonitos mas são saborosos. Tenho pena de não os distinguir, por isso, trato-os todos por igual, o que é injusto. Deixo-os ficar na terra e recomendo muito a toda a gente que não lhes toque.
Porém, penso muitas vezes que se calhar os cogumelos comestíveis resolviam os problemas financeiros do País. Parece que os produzimos de muita boa qualidade, espontaneamente. Imagine se desatássemos a plantá-los ou a favorecer o seu nascimento e crescimento e os exportássemos em quantidades astronómicas, não acha que resolveríamos alguns problemas?

De Augusto Küttner de Magalhães a 11.11.2008 às 14:24

Penso que, não só mas também nos coguemelos! Mesmo tendo que estar o país a importar - UE obriga - 70% do que comemos, estes genero de alimentos diferentes/ especiais, podiam e deviam ser incentivados, não necessariamente com subsidios - sempre! - mas com empreendorismo!!!

De Augusto Küttner de Magalhães a 11.11.2008 às 14:21

Exelente ligação com as Natureza impiedosa e a poesia de Camões!

De Augusto Küttner de Magalhães a 12.11.2008 às 12:57

Ao ler este interessante post sobre os "cogumelos" lembrei-me de outro muito apropriado da Zilda sobre as castanhas e os seus "ouriços", algo que eu desconhecia - que ignorância, e que a Zilda por aqui me explicou melhor.
Lembrei-me que as tais "coisas" que nos podem fazer diferentes em qualidade, para além de bons cogumelos, boas castanhas, boas uvas, bons vinhos do Douro, do Porto, do Alentejo, do Dão, boas cerejas de Resende.....queira-se, saiba-se!!

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D