Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Dragão de Papel

por Zilda Cardoso, em 22.09.08

Sobre o blog, diz-se no próprio blog, que "reflecte os domínios das indústrias culturais e indústrias criativas". E é o espelho de

http://industrias-culturais.blogspot.com.

Foi onde encontrei uma análise crítica, a meu ver, muito certa do meu livro Cerejas de Celuloide.

Agradecendo ao seu autor, Rogério Santos que é uma pessoa generosa, sabedora e culta que não tenho o gosto de conhecer senão através dos seus escritos, permito-me reproduzir algumas linhas da detalhada análise, publicada em 7/9/08 no http://dragãodepapel.wordpress.com.

 

"É um texto como se fosse um longo diálogo sobre filosofia, estética, filosofia e correntes da arte, discussões do dia-a-dia comentando os acontecimentos mais recentes, numa deambulação fragmentária, recordando a linguística e a semiótica de Charles Sanders Peirce, para quem um significado desperta sempre novos interpretantes, numa semiose ilimitada".

...

"Salas de espectáculos e espaços culturais, como Coliseu, Sá da Bandeira e Rivoli são a representação simbólica e cultural da cidade antiga, enquanto Serralves representa a modernidade. A autora refere autores ou artistas como Paula Rego, Paul Klee, Pedro Burmester, Vasco de Lima Couto, Agustina Bessa-Luís (p. 179), António Nobre, Manoel de Oliveira, Graça Morais, Siza Vieira, Sophia de Mello Breyner, a maioria com ligações ao Porto, no que será certamente o levantamento cultural e antropológico da cidade moderna segundo Zilda Cardoso. Cita outros autores como Edgar Morin e José Gil".

...

"Há um contínuo vaivém no tempo"...

...

"Se A Rua do Paraíso é inequivocamente uma memória antropológica, Cerejas de Celulóide é uma aventura mais madura no domínio da narrativa romanceada (edição da Campo das Letras, de finais de 2007). Tenho algum pudor em chamar-lhe romance pois, apesar das personagens, prepondera o diálogo acerca da vida e dos problemas, como escrevi acima, entre dois irmãos, como se fosse um reencontro motivado por uma questão específica e ponto de partida sobre uma reflexão de costumes. A riqueza maior do texto é a sua possibilidade de ser lido no futuro como a percepção de como uma cidade, a sua população, pensou sobre um tempo. Talvez isso justifique as duas frases seguintes: “Lisboa tem sempre que ganhar, não sabes?” (p. 131), “Dos portugueses, os portuenses não esperam nada” (p. 327). O olhar de dentro para fora da cidade revela algum mal-estar face a um presente, perdida que foi uma geografia de lojas e ruas em detrimento de outras, em que o texto é omisso. Mas que sabemos estar a extravasar os limites da cidade e passar para os concelhos vizinhos."

"Tal olhar resulta ainda numa perspectiva política direi amarga, sem esperanças. Para mim, isso explica o recurso à explosão final dos prédios para venda: nem os proprietários usufruiram do bem, nem igualmente os inquilinos, que não ficaram para comentar o sucedido. Como se fosse uma parábola extensível ao país: só dinamitado é que ele pode(rá) mudar e melhorar."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:52


2 comentários

De Augusto Küttner de Magalhães a 22.09.2008 às 15:23

Fiquei entusiasmado com esta análise e permito-me retirar frases com considero, demasiado, oportunas:

"Lisboa tem sempre que ganhar, não sabes?"

"Dos portugueses, os portuenses não esperam nada."

"Como se fose uma parabola extensivel ao país: só dinamitado é que ele pode(rá) mudar e melhorar"

Quemk não se reverá nestas frases, tão oportunas????

De VIGUILHERME a 24.09.2008 às 17:00

Gostei do modo de ler do Rogerio Santos sobre seu livro "Cerejas de Celuloide",é uma visão que me pareceu mais perto de si e do que escreve,uns traços sociológicos e antropologicos com uma filosofia do devir e do passado pessoale social .Este novo olhar para o seu livro ,vai-me levar a uma releitura dele ......mas sempre disse que era um livro para ler e reler ......parabens escritora,continue......

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D