Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


OBRA ABERTA:não serve qualquer interpretação

por Zilda Cardoso, em 21.09.14

 

 

Depois do grande pequeno-almoço, pelas 9 da manhã, fui conhecer a aldeia que me tinha parecido interessante, numa primeira visita rápida, antes que o sol se excedesse em brilho e me confundisse.

Todavia aqui é sempre brilhante de sobra e, verdadeiramente, ignoro qual a hora mais propícia a um passeio tranquilo.

Arrisquei com a luz tão forte apesar das pequenas nuvens a suavizar, e a proeza provocou-me aquela malfadada enxaqueca.

De modo que regressei rapidamente, já com o comprimido na mão e hemicrania (bonito nome!) sobre os olhos, mais para o esquerdo. Engoli-o com água fresca mal cheguei ao escuro do quarto, e deitei-me.

Daí a pouco, estava melhor.

Já sentada na cadeira… ela voltou, a tal. Estou mesmo confusa: tomo outro comprimido, não devo? Fecho os olhos e espero por melhores horas, se bem que nem a paciência nem a esperança sejam o meu forte.

Devo esforçar-me e recordar os ensinamentos budistas que dizem ser a paciência fundamental - para um bom relacionamento, para se ser feliz… E que nos devemos esforçar, porque  "without your own effort, it is impossible for blessings to come”.

Vou tentar ler um texto mais ligeiro do que os meus preferidos e que me acompanham para todo o lado como As confissões de um jovem escritor. É de Umberto Eco escrito quando tinha mais de 70 anos e não havia muitos que se tinha estreado como escritor.

Conhecia-o bem como linguista, semiólogo, filósofo da linguagem com uma enorme reputação a defender já que os seus livros científicos eram estudados com todas as minúcias nas universidades, nos cursos de linguística e de teoria da literatura.

Os livros foram um enorme sucesso de vendas e o filme (ou os filmes) realizado a partir dos livros grandíssimo sucesso de bilheteira. O filósofo ganhou uma fama extraordinária como escritor.

O que é interessante neste livro é que ele explica o seu processo de escrita, definindo o que distingue para si a escrita criativa da científica. Diz que a criativa é aquela em que o autor procura “representar a vida com toda a sua incoerência” e a científica aquela que “procura resolver um problema específico”.

No entanto, a escrita criativa de U.E. baseia-e em estudo e pesquisa, o autor como um deus cria um mundo que “tem que ser exacto para nos podermos movimentar nele com segurança”.

Por outro lado, precisa de “desorientar o meu leitor ao mesmo tempo que mantenho as minhas ideias muito claras”, diz U. Eco a propósito de livros em que há um enigma a resolver como num policial que é o que prefere redigir.

Demora anos a compor os romances e baseia-se nas suas notas, em ideias recolhidas, em imagens, nas  palavras que escolheu. Prefere os temas que já estudou possivelmente com diferente intenção, sobre os quais acumulou “recordações, nostalgias e curiosidades”. Serve-se de banda desenhada, de gravações, de revistas, de jornais.

O processo não se inicia sempre do mesmo modo: pode ter tido uma ideia seminal, como lhe chama, ou uma imagem seminal e pode acontecer uma epifania, na sequência dela. Considera que a inspiração entra muito pouco no seu trabalho. Recolhe documentos, visita locais, descreve os lugares que visita, desenha mapas, observa a configuração de edifícios e talvez de um navio e até pode sentir a necessidade de desenhar o rosto dos personagens e desenha-o.

Então concentra-se na preparação da narrativa, pensa no estilo adequado ao tema, nas palavras certas, e nas restrições que o tema lhe impõe quanto à época em que a história se passa, ao local, às particularidades da língua e aos públicos a quem se dirige e cuja boa vontade e inteligência respeita.

E dá uma forma ao texto que sugere uma interpretação ou que a provoca e que não será única (não tem que dar explicações sobre o texto): ele é “um dispositivo criado para provocar interpretações”.

Evidentemente, fiquei encantada com todas estas elucidações e concluo com alguma surpresa que Umberto Eco trata com todo o rigor científico os seus temas criativos. Do que resultam romances extraordinariamente interessantes que, se a acção não tem a ver com a realidade, podia muito bem ter.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:43

Gosto de partir

por Zilda Cardoso, em 19.09.14

 

 

Ia de olhos fechados, a cochichar para mim: isto é bonito! Isto é bonito… (desejando que fosse)!

Muito estimulada por recordações, pelo que não vejo no momento, abro os olhos, espio pelo canto da janela de vidraça fechada e vejo largos campos secos, já acastanhados que me deixam adivinhar um cheiro característico que não aprecio muito; longe, muros verde-escuro limitando campos e propriedades e, ainda mais distante, neblinas até ao horizonte. O céu povoa-se de nuvens muito trabalhadas, enroladas, amarrotadas, amassadas contra o azul (que eu supunha estar por trás), como se fosse massa tenra e murcha batida sobre a tábua.

De seguida, vi campos alagados com salpicos de verde, ligeiros relevos e imprecisos arbustos redondos, alguns fiozinhos de sol.

Não era nada daquilo que vislumbrara, quase adivinhara, quando com os olhos cerrados… E resolvi fechá-los de novo.

As sombras movimentaram-se rapidamente, na verdade, fugiram espavoridas e depois apareceu um cenário escuro e indistinto.

Estava era com sono e ouvia mais do que via, naturalmente, sons de vozes melódicas, dizendo e replicando sem fim.

Então abri-os em definitivo, os olhos, para a paisagem, agora iluminada por um sol já alto. E, sim, era bonito, não deslumbrante.

Havia o horizonte todo recortado de formas arredondadas contínuas, mais ou menos miúdas, as diferentes árvores dispersas nesse grande espaço entre mim e o longe, agrupadas ou alinhadas, esguias ou redondas, ainda cada uma com a sua sombra, nitidamente, a decorar a campina.

Talvez as árvores aparecessem e desaparecessem, conforme as necessidades do cenário, pensei. Distingui, pelas copas, figueiras, ciprestes… pouca coisa, casas alvas com telhados vermelhos aqui e ali, um moinho no alto, muitos espaços em branco…

Aprovaria mais e mais variados elementos, agenciaria isso com o Arquitecto, se pudesse falar com ele. E mais e mais componentes sedutores como ribeiros cristalinos, ecos, cantos de pássaros e bater de asas, constelações estranhas… que estimava incluir ali, o de que gosto. Porque tudo isto me diz respeito, nesta madrugada de Setembro, e posso escolher.

Porém, tudo se compõe e harmoniza e fica superior com o movimento, com o passar, a bem dizer, conheço isto muito sem conhecer bem, desejo fazer-me principiante de qualquer coisa.

Aprecio a região, mais descansativa que qualquer outra, ninguém em parte alguma, há silêncio e há calor e as poucas árvores foram gradualmente perdendo a sua sombra.

Com o tempo e tudo o mais a rolar, cinco horas depois do começo da viagem, é mais ordenada a planura, com pequenos montes dispostos de certa maneira… obra do tal Arquitecto de vistas largas… com linhas que se cruzam, se encontram, se afastam, diversas cotas, cores, texturas... O grande Arquitecto trata da organização deste espaço e do ordenamento dos componentes de que pode dispor.

 

 

 

Fez um projecto bem pensado, talvez tivesse levado em linha de conta uma sabedoria que ignoro e que o impediu de utilizar elementos inadequados a este clima, portanto, supérfluos, não estáveis, embora pudessem acrescentar beleza e música à paisagem.

Ele que é sensível teve de encontrar o ponto certo entre uns elementos e outros, entre os próprios e os impróprios, entre a estética e a utilidade.

Porque se vive ali… Contudo, o que saboreio é o momento de partir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:13

AGUSTINA, o congresso de Outubro

por Zilda Cardoso, em 16.09.14

“Um Congresso Internacional sobre Ética e Política na obra de Agustina Bessa-Luís vai realizar-se em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian, em 14 e 15 de Outubro próximo.

A propósito, gostava de transcrever aqui, se me é permitido, um trecho do livro recentemente publicado pela Guimarães, babel, 2013, Caderno de Significados, em que Agustina define

 

 

Português.

 

“Prefere ser um rico desconhecido, a ser um herói pobre. É melhor do que parece. O homem português é dissimulado, e fez da inveja um discurso do bom senso e dos direitos humanos.

Mas é também um homem de paixões moderadas pela sensibilidade, o que faz dele um grande civilizado.

Gosta das mulheres, o que explica o estado de dependência em que as pretende manter. A dependência é uma motivação erótica.

É inovador, mas tem pouco carácter, como é próprio dos superiormente inteligentes tanto cientistas como filósofos e criadores em geral.

Mente muito, e a verdade que se arroga é uma culpa inibida. Vemos que ele se mantém num estado primitivo quando defende a sua área de partido, de seita e de família, à custa de corrupções e de crimes, se for preciso.

Gosta do poder mas não da notoriedade. Não tem o sentido da eternidade, mas sim o prazer da liberdade imediata. Não é democrata, excepto se isso intimidar os seus adversários.

Não tem génio, tem habilidade.

É imaginativo mas não pensador.

É culto mas não experiente.

Não gosta da lei, porque ela desvaloriza a sua própria iniciativa. É místico com a fábula e viril com a desgraça.

Admira mais a Deus do que tem fé Nele.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:56

MILREU

por Zilda Cardoso, em 16.09.14

  

 

 

Estive em Milreu, uma vila rústica que já era próspera no século II a. C. ou pelo menos no I século a.C. ligada ao desenvolvimento económico da Hispânia e da Lusitânia.

No século III, com os grandes proprietários agrícolas instalados no campo, foram construídas grandes casas, decoradas com mosaicos e mármores e com rede de abastecimento de água.

Depois de importantes escavações realizadas aqui em Milreu no século XIX apareceram mausoléus, uma residência com peristilo central e colunas, átrio e pátio aberto com jardim e tanque de água e também residências modestas, lagares de azeite e de vinho. Há um outro átrio com fonte e repuxo, salas interiores aquecidas e cozinha, grande sala com abside -  era o triclinium - e termas com tanques para banhos frios, quentes e tépidos.

 

 

 

 

Tudo isto resultou de melhorias sucessivas, de acordo com descobertas técnicas e decerto com as possibilidades económicas dos proprietários.

O que mais gostei de ver, para além do enorme edifício religioso, foi a decoração de pequenos tanques de água com mosaicos representando grandíssimos peixes gordos que sob a água se reduziriam a dimensões normais. Alguns pareceram-me simpáticos golfinhos. Havia no frigidarium banheiras de água fria com a mesma decoração de peixes roliços e coloridos.

 

 

 

 

 

No edifício de culto, monumental, romano do século IV, os arqueólogos descobriram vestígios de tudo: dos muros, das cornijas, das colunas com e sem inscrições, dos capitéis e placas da balaustrada em mármore, do tanque poligonal. E que na reconstituição em maqueta do arqueólogo alemão Hauschild é de uma delicadeza e duma beleza que não é visível na ruina.

A partir do século VI, o lugar serviu ao culto cristão e foi oratório e cemitério na época islâmica, sendo povoado até ao século X, época em que as abóbodas ruíram e foi abandonado.

Lamento não saber explicar melhor e, abrasada por um calor enorme logo de manhã, não me é possível estudar com tranquilidade o que aí está.

 

 

O céu enevoado, apenas com alguns farrapos esfarrapados de azul, nuvens negras e ameaçadoras, pensava eu, haveriam de trazer chuva daí a escassos minutos e eu ficaria feliz de a apanhar em directo e fresquinha nas ideias.

Mas não veio. Veio mais calor que me fez morrer um pouco a cada passada na vila romana.

Que sensações: a de estar a visitar um espaço tão habitado há vinte séculos e poder imaginar como se vivia aqui nesses primeiros tempos da era cristã e antes; e a de o calor me estar a apagar com presteza. É claro que os Romanos possuíam piscinas de água fria e peristilos, galerias, jardins e fontes,  repuxos, pátios e pódios…

 

 

 

 

 

O que lá está agora está consumido (com excepção dos peixes gordos), limpo e interpretado, ainda que haja numerosas parcelas para desenterrar. Por isso, não me demoro, compro um prospecto/guia que me informa pouco acerca do que queria saber: é que preferia meditar tranquilamente sobre as legendas de uma boa exposição paralela de fotografias que vi à entrada e… não pude acarretar as legendas.

Confesso adorar os Romanos que continuam a saber viver com ou sem governos reformadores em mil dias ou mesmo sem governo nenhum, com ou sem Cosa Nostra, sequestros e vulcões, com tudo aquilo que eles têm e mais ninguém tem e sem o que não querem ter.

Se tivesse de mudar de cidade, iria viver para Roma Antiga.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:53

"The answer is blowing in the wind"

por Zilda Cardoso, em 14.09.14

Depois de pequenas viagens incomuns e estimulantes, tenho agora para passar uma semana num lugar de sol, fora das rotas do turismo mais ou menos internacional.

É um Verão muito aventuroso, este.

Vou para uma pousada a quilómetros da cidade e da beira-mar, um palácio do século XVIII. Se bem que não dê, no momento, valor ao palácio, mas muito mais à colocação dele no mundo das coisas que me interessam, e não saiba como ele se situa em relação a isso, aceitei a aventura. E após várias hesitações e esforços, fiquei satisfeita por não ceder a instigações para lugares mais perto do mar e da areia tórrida e da agitação inusitada das esplanadas onde criaturas se queimam voluntariamente ao sol.

Por vezes, agrada-me observar o movimento das pessoas, do sol, das nuvens coloridas; agradam-me as neblinas matinais e as gaivotas estridentes e sempre com rotas definidas, os barcos que levam e trazem mistérios, aproximando-se perigosamente das rochas. Considerarei mesmo o ar carregado de humidade que não posso deixar de respirar.

Possivelmente, vou ter saudades disso tudo, neste pouco tempo, arredada. Assim mesmo, são apenas alguns dias, regressarei a penates e aos nevoeiros em breve, na pior das hipóteses.

Agradam-me, de que maneira, as surpresas e as coisas novas, os pensamentos sérios e raros de que fala Steiner, os brilhos ao longe e os sons suaves aqui. É o ruído das ondas que saboreio, e é também a música de Bach, a frescura, a espontaneidade, a inocência e a procura.

Procura concentrada, a todo o preço: de pessoas estimáveis que acabam por ser muitas em biliões sobre a Terra. Agrada-me a inteligência e a capacidade poética de alguns e palavras relacionadas com isso e os gestos e as boas intenções. Reconheço o imenso valor da verdade, da honestidade, da compaixão e do interesse pelos outros, de que fala o Dalai Lama.

Volto à música, porque é o que mais admiro e prezo e afinal aquilo de que menos sei. Não conheço nada da sua organização formal, da técnica nem da instrumentação. Nem sequer sei o que é “o universo real do som” nem o que é a música, no fim de contas. “A música é ela própria” terá escrito Schopenhauer.

Definir música não é o que mais me importa. Há muitos outros temas que não seria capaz de desenvolver e não acho isso fundamental. No entanto, a música…

“As coisas excelentes são raras e difíceis”, acredito em Espinosa. Talvez eu encontre naquele lugar ao sol, de sol, alguns pensamentos difíceis e ordenados que me ponham tão feliz como quando oiço um certo quarteto de Beethoven ou leio em Heraclito a metáfora admirável que me reconcilia com o mundo.

E tal como G. Steiner, que tenho estado a reler sempre com o mesmo interesse, conseguirei escutar e compreender melhor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:56

Fim de férias... já?

por Zilda Cardoso, em 31.08.14

 

 

 

 

Em dias como este, duvido que o mar resida próximo de mim. Parte do dia, não o vejo. Ouço um pequeno ruido que presumo seja o do seu movimento antes constante. E há um cheiro forte a mexilhão e a algas verdes a apodrecer.

Uma neblina é o que avisto no lugar onde ele era.

Estas incertezas e disfarces densos, mais ou menos duradouros, quase diários, ultimamente, vão-me arrasando. Não estou segura sequer do lugar nem das coisas nem das pessoas se, um dia, estão e são, e, no seguinte, desapareceram.

Com que me hei-de relacionar? E como posso sentir-me feliz ou infeliz? Numa peça de teatro há mais segurança quanto à verdade dos episódios; os factos aqui são fugidios, fluidos, húmidos, de cor neutra e sem graça.

A gente da praia deixou a praia, vestiu as camisolas ou foi embora desprotegida desde que foi verificado que não há nem vai haver de certeza sol para apanhar. As pessoas estão em silêncio, coladas no fundo do cenário, quietas, dominadas pelo relento melancólico, pelo cheiro, pelo peso do cinzento sem cor.

Apenas as gaivotas continuam como se nada fosse ou eu não vejo o que as faz mover contra a corrente, rentes ao chão, sobre as rochas metamórficas. Uma grande parte, as mais velhas, aproveitam para uma reunião política destinada a resolver como curar o mundo. São eficientes e apreciam tomar a iniciativa. Também se zangam muito.

Algumas pessoas estão deitadas por debaixo dos guarda-sóis, o que é, pelo menos, bizarro. Estavam programadas para passarem o dia a apanhar sol e sabemos como é trabalhoso mudar de ideias e de programa. Contemplo no seu rosto um ar de regresso para nenhum lado, como se não conhecessem ninguém no mundo para acolhê-las.

Sento-me no banco corrido para escrever, enfrentando o inevitável.

 

 

 

 

Então, sem abrir o sol, começa o ar a aquecer e as pessoas que já não têm experiência de como proceder, nestes casos, olham entre si procurando alguma cumplicidade. Na sequência, deslizam algumas para fora, já que não têm grandes expectativas, outras vão ficando.

Com que palavras, posso descrever esta confusão de que ninguém me ajuda a sair? Gostaria de recuperar alguma coisa agradável - ideia, significado, imagem… característica de um último dia de Agosto de Verão, domingo e, para muitos, fim de férias.

O meu desejo de sol aberto aliado às aspirações de todos os que aqui ficaram será suficiente para fazer ascender o nosso pedido ao lugar onde estas súplicas podem ser atendidas?

Aí está. Aconteceu o inacreditável: o sol abriu e iluminou a bela cidade.

Por um ténue momento.

 

 

 

 

(Esta é a realidade do sítio que os turistas passaram a estimar para as suas férias acessíveis).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:39

Hip hop

por Zilda Cardoso, em 28.08.14

 

 

 

Dentro, não acontecia nada.

Saí.

Caminhei pela Avenida para sul, o sol nas costas. Tirei o casaco.

Procurei. Podia ser, similarmente, um bom propósito fotografar, se a minha máquina não se tivesse recusado como acontece em momentos-chave. Corri para casa, donde – da minha redoma – tentei com outra camera fazer uma imagem que desse uma ideia mesmo pálida do que estava a acontecer… fora.

Não foi possível, o sol bateu-me em cheio e cegou-me.

Pouco depois, da cognominada redoma, olhei o lá-fora, apesar de tudo, e como valendo a pena. Fui assaltada pela lembrança das ocasiões, ultimamente frequentes, em que me inclino para a esquerda, se bem que pareça estar na vertical sobre os dois pés e caminhando. Obliquo para a esquerda, endireito-me, volto a descair para a esquerda, endireito-me… Não compreendo e não quero e persisto no meu caminho, agora aprumada.

Daí a pouco, regresso à esquisita inclinação-sem-intenção e penso que só pode ser a Terra a inclinar-se mais do que o costume, sempre a vejo com um animado pendor à esquerda, o seu forte eixo de rotação bem em diagonal,

com um ângulo considerável em relação ao plano da eclítica, a sua órbita.

Que admira que descaisse para a esquerda, uma vez que estava nela?

Não pude deixar de considerar surpreendente e, de certo modo, confuso, não ver alguém mais com essa tendência: era dentro de mim que alguma coisa afinal sucedia, não tinha percebido.

Se todos se pusessem a  tombar para a esquerda, depois se endireitassem, arriscassem para a direita e voltassem a tentar para a esquerda… poderia ser uma dança divertida e dinâmica… funk… com piruetas atléticas pelo meio e hip hop music de fundo, the hottest songs. Talvez o Michael Jackson aparecesse a dirigir o bando e eu votaria a favor com a imensa plateia de avenida a aplaudir.

Todavia os outros não experimentavam, isto era perfeitamente visível, e eu não tive, vi que não teria, possibilidade de trocar olhares cúmplices com qualquer deles.

Não havia nenhum mal-entendido nisto, devo acrescentar, eles estavam talvez “a usar a sua existência”, simplesmente. Para mim, era com destemor e serenidade que avançavam no seu trilho hirtos, perpendiculares ao pavimento, ou à sua trajectória própria e eu...

Interrompi rapidamente a minha fantasia e concepção da dança de rua com ritmo inaudível.. street dance, rap, breaking...

 

 

E lá de cima, pensei que era certo que alguma coisa se passava dentro de mim, não sabia o quê, mas actuando a meu favor. E talvez fora de mim: circunstâncias climáticas, esta posição em relação ao plano da órbita da Terra, a proximidade do Mar, a ausência de montanhas solitárias que me perturbassem – gostava disso assim, plano e azul, com brilhos intensos na água azeviche. E tinha-o.

Mesmo sem fotografia.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04

Agustina, "Um cão que sonha"

por Zilda Cardoso, em 21.08.14

 

 

 

“A maior parte das pessoas passa pela vida sem serem reveladas a elas próprias. Talvez isso atinja um tecido perigoso, como o véu da deusa de Cartago. Trocá-lo representa a morte. As pessoas casam-se e tentam proceder como se não o fizessem. Defendem a sua solidão a todo o preço, esquivam-se como podem a representar a figura de retórica que diz que o amor faz do casal um só. Não é tal. Não há como o casamento para ensinar quão funesto seria isso. Duas pessoas podem mais do que uma, e a aliança de neutralidade não é possível senão quando se honram a si próprias com um certo desprazer que permite evitar a servidão absoluta.

Há quem assegure que o amor duma mulher não é senão simulação e debilidade. Há um pouco de verdade nisso. O amor parece demasiado pesado a uma mulher de gosto e de sentimento. Não é preferível trair as ocasiões de o celebrar como ele merece? Ou então fingir que ele é único…”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08

Um por todos, todos por um

por Zilda Cardoso, em 19.08.14

  

 

Não tenho dúvida de que o sol transforma radicalmente o meu mundo. E faz-se tão caro, o sol, (ou será o Sol?) que posso afirmar com exagero que raramente aparece por estas bandas nos últimos tempos. Mas custa-me aceitar tal.

Como vem sendo hábito, um véu cinzento claro cobre o que antes estava aqui bem visível todas as manhãs e já lhes apresentei.

Uma das razões porque gosto disto é que é diferente cada dia. Se fosse sempre uma coisa ou outra… eu já tinha ido dar uma volta por aí, em redor. Há muito mais para admirar.

Nunca aprecio este particular cinzento, esta neblina murcha sem nada de nacrée. Gosto de neblina nacrée, pode querer dizer que vem aí o sol. Só por essa razão, já interessa gostar dela.

E há ainda as cores subtis da aguarela que me tranquiliza e me faz desejar ser capaz de a reproduzir e contemplar quando houver grandes diferenças no real, por exemplo, se houver cinzento-escuro carregado de chuva transparente ou de trovoada… ou pode ser de outra coisa qualquer.

 

 

 

 

 

E fico a pensar… de que outra coisa qualquer poderei eu estar a falar, e poderá estar carregado esse cinzento pesado e denso?! Ou aquele meias-tintas?!

Apesar de me fascinarem as dissemelhanças, prefiro o sol forte que acende os azuis e “desprende o meu pezinho”.

No entanto, vou ficar à espera que tudo tenha acontecido. Talvez então possa descansar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

Pensar o pensamento

por Zilda Cardoso, em 17.08.14

 

 

 

Hoje, ao fim da manhã, tinha construído um belo pensamento lógico tão invulgar como a Catedral de Gaudi em Barcelona (que não queria ver acabada), mais fulgurante que a igreja do Marco do meu amigo Álvaro Siza; tão elegante e límpido e simples como alguns dos seus edifícios algures no mundo.

Surgiu-me combinado com a 9ª de Beethoven ou coisa assim, e tinha a forma de um poema de Camões.

Apreciei tudo isso.

Era um pensamento poético e brandamente filosófico cuja lógica, não excessivamente transcendente, mas transparente, parecia de valor fundamental. E que a humanidade devia conhecer para seu bem.

Porque se tratava de compreender intransitivamente, de saber a razão, o como, donde e para onde vou, o que faço aqui… essas coisas.

Aquele pensamento… precisava registá-lo, mesmo inquietante e de fácil incessante possível sumiço, ou por isso mesmo, necessitava transmiti-lo, não queria que fosse brilhante e inútil.

Sentei-me para o escrever numa qualquer folha de papel. Ou no computador.

Aí brotou um obstáculo imenso: “escureceu-se-me o engenho”, poderia ter dito o Poeta, não conseguia pô-lo em palavras. Era irrepreensível esteticamente, observara-o de todos os ângulos e pareceu-me perfeito… enquanto esteve inteirinho na minha mente.

Apesar do ruído e do movimento em redor e dentro da cabeça, e no coração que parecia trepidar, aquele pensamento existia para mim há dias e estava com uma pujança tal que não era pensável que alguma dissonância pudesse arrebatar-lhe o valor.

Eu tinha conseguido raciocinar bem até que aquela ideia, como uma bomba, deflagrou. O meu pensamento brilhante foi literalmente esmagado. Ou, pelo menos, reduzido a fragmentos que se espalharam em todas as direcções.

Comecei a apanhá-los um a um, a juntá-los num lugar em que fizeram um volume considerável, mas… sem sentido. O que perdi, o que deixei escapar, foi a lógica. Como podia não perder? Apenas tinha fragmentos sem nexo!

Enfim não passou de um projecto (poderei dizer fantasioso ou metafórico ou o quê?) o que eu julgava ser um edifício com optimos alicerces, belos interiores, jardins estabelecidos; supostamente rico de referências, um dos que seria uma perda atordoadora perder-se.

O que me caiu, o que caiu sobre mim… foi a ideia de que é feito de intuições (anteriores aos pre-socráticos, como parece sugerir G. Steiner) e não pode ser dito. E quando insisti em querer gravá-lo, escrevê-lo… escapou-se. Explodiu.

É feito de intuições, sem dúvida, e como se difundem intuições? Não conheço linguagem em que as formule e as comunique, é isso, não conheço linguagem apropriada ao entendimento dos outros. Terei eu própria percebido?

Haverá maneira de ser entendido sem palavras?

Senti que me consumo. Que valor terá um pensamento que não pode ser dito, dançado, musicado, pintado, fotografado…?

É minha ambição conhecer urgentemente a linguagem de uma dessas artes; talvez, quem sabe, ele possa afinal nela ser expresso ou declarado.

Porém, o meu maior desejo é não precisar de linguagem alguma (para comunicar intuições).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:12