Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O FIM QUE CONHEÇO

por Zilda Cardoso, em 13.04.14

 

 

 

  

A vida é isso que corre por mim

- acenei timidamente -

e que não pára.

 

A vida é isso intenso e rápido

luminoso e verde e duro,

não o que fica

 

na estrada comigo gozando a solidão.

 

Deslizo sem pressa como representação

para o fim que sei onde

mas não como.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:46

outra vez o vazio

por Zilda Cardoso, em 12.04.14

 

 

Quando todos se vão

e fico no silêncio…

sofro pensando

que regressarão

a tempo de

eu não ter tempo

de pensar o que queria

 (encontrar-me

explicar-me

perceber por quê).

 

Escuto ruídos

aí vêm, já vêm.

É quase outro dia.

Mas será o mesmo:

não achei respostas,

não tive tempo

é outra vez vazio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:36

Heróis do nosso tempo: Alcino Cardoso

por Zilda Cardoso, em 11.04.14

 

(discurso/testemunho proferido na recente homenagem no Rotary Club do Porto-Douro)

 

É natural e é verdade que cada um de nós marca, de diversos modos, a comunidade em que vive. Alguns, pelas suas virtudes e acções, deixam, quando nos deixam, marca mais profunda do que outros. Não queremos esquecê-los.

E, pergunto, que civilização seria a nossa, se não recordássemos os que partiram, se não os homenageássemos!?

Que civilização seria…?

Vemos que as grandes personagens da literatura e do teatro - dos romances e das tragédias clássicas que nos formaram continuam a emocionar-nos, muitos séculos depois da sua criação. Evocámo-las a cada passo - os nossos heróis - como evocamos as personagens históricas que presidiram à criação do nosso mundo. Tornamo-las imortais.

Penso que o que estamos a querer apontar com esta homenagem é que o Alcino deixou uma marca profundíssima não apenas na família mas na cidade, naqueles que tiveram oportunidade de com ele conviver num âmbito mais alargado do que o seu círculo da amigos e conhecidos. Na profissão (como gestor bancário, como vice-presidente da Câmara de Comércio Luso-Francesa, como consultor e presidente do conselho de administração da BNP Factor…), como nas suas múltiplas actividades particulares a bem da comunidade, ele esteve sempre presente para ajudar a resolver problemas. E a resolvê-los com brio.

A sua atitude foi sempre positiva - não se sentava sobre os problemas esperando que se resolvessem por si ou que outros os resolvessem. Fazia tudo, com prejuízo do próprio bem-estar e da saúde, para avançar mesmo por caminhos difíceis até à solução pretendida. Foi assim que realizou os sonhos de muita gente, penso que é desse modo que o podemos recordar: reconhecendo o seu valor como realizador de sonhos.

Permitam-me que conte dois episódios que ilustram esse seu permanente desejo. Que como qualquer desejo tem valor porque se transformou em acção.

Quando preparávamos o nosso casamento, em certo momento, perguntou-me onde gostaria de passar a lua-de-mel. Ri-me pensando na estupidez do que ia dizer, mas respondi: em Paris! Sabia que não era possível: onde tínhamos dinheiro para uma viagem a Paris? Mas nada me impedia de sonhar.

Foi nessa ocasião que o vi pela primeira vez pegar no lápis e no papel e riscar uns números, somar e subtrair; consultou mapas decerto; notou uns nomes talvez e… fomos a Paris. A verdade é que fomos a Paris! Directos, de comboio, numa carruagem comum. Encontrámos o J. M. que viajava para a Alemanha onde tinha negócios. Apercebeu-se imediatamente de que éramos recém-casados pelas solas dos nossos sapatos novos. Ensinou-nos como conseguir que ninguém mais entrasse naquela carruagem e fomos os três tranquilamente, deitados nos bancos de suma-a-pau durante toda a noite. Ficamos amigos para sempre.

Chegados a Paris, procurámos o metro, de malas na mão e o mapa da cidade, em busca do hotel onde tínhamos marcação. Era perto da Ópera, não houve nenhum problema e nunca mais esquecemos essa primeira aventura. Ainda hoje, Paris é a cidade mais bela do mundo, tem para mim enorme sedução, a ligação entre nós é fortíssima.

Recordo ainda uma célebre viagem a Genève de carro, ficámos num parque de campismo perto da cidade. Ele era o representante dos trabalhadores portugueses à Conferência Internacional do Trabalho … Não, não vou contar, mas digo-lhes que foi extremamente instrutivo e estimulante.

Muito mais tarde, há poucos anos, tínhamos uma loja alugada a uma designer de moda que apresentava trabalhos seus muitointeressantes. Confessou que lhe era custoso pagar a renda. O Alcino perguntou-lhe se quereria comprar a loja. Ela que sim, que gostaria muito, mas como? Tinha apenas desejo de trabalhar. Então, usando o velho processo do lápis e do papel, o Alcino traçou um plano, fez umas perguntas, contas e reflexões e o sonho… concluiu-se. Em poucos anos, ela possuía um lugar de exposição permanente sem grandes sacrifícios, com alguns, e que lhe permitiu desenvolver a sua actividade qualificada, graças àquele precioso primeiro passo e depois, sem dúvida, com persistência, vontade e dedicação.

Acções como estas estão longe de serem raras na sua vida, tornaram-se comuns. Quantos desempregados ou subempregados ajudou a encontrar trabalho, dando-lhes mesmo trabalho na sua casa, e a subir na hierarquia da profissão dando-lhes a oportunidade irrecusável de se ultrapassarem?

 

Quantos desempregados ajudou a encontrar trabalho, dando-lhes mesmo serviço na sua casa, e subempregados a subir na hierarquia da profissão pela oportunidade irrecusável que lhes facultou de se excederem? Parece-me que pensava que cada ser humano, apenas porque existe, tem direito a usufruir de oportunidades possíveis e impossíveis e teria vontade de se ultrapassar.

 

 

Desde que encontrasse nas pessoas que o solicitavam qualidades que lhes permitiriam atingir os próprios objectivos, desde que acreditasse nelas, ele descobria em si faculdades que lhe possibilitavam ajudar a realizar quimeras ou o que se apresentava como quimera. Nesse aspecto, era um maravilhoso prestidigitador que eu vi actuar como tal inúmeras vezes ao longo da sua vida. Só que as suas actuações mágicas não eram representações, saíam das suas mãos objectos reais, concretos e sobretudo úteis.

 

Era deste modo que o seu génio se acendia. Era assim que revelava a sua generosidade construtiva, foi aí que se empenhou até ao termo das suas forças.

E na actividade profissional, a atitude foi a mesma: estava ali para ajudar a construir. E ajudou.

 

A Assembleia da República apresentou um voto de pesar, pouco depois do seu passamento, um deputado leu o impressionante currículo que conhecemos, foi transmitida a cerimónia pela televisão. Alguém viu? Para nós, seus familiares foi emocionante o silêncio pesado de 60 segundos, a Assembleia em pé prestando homenagem perante o País a que ele, de diversos modos, dedicou tanto da sua energia e inteligência, como vereador, como fundador de um partido político e conselheiro, como deputado, como secretário de Estado, como trabalhador incansável.

Nas suas actividades particulares, pertencia a todas as instituições de benemerência que a ele recorreram nalgum momento, a associações desportivas e culturais onde voluntariamente trabalhou e cumpriu desde o Clube Fluvial nos seus começos difíceis até ao Círculo José de Figueiredo no Museu Soares dos Reis, a este clube rotário que fundou e a que deu uma vida extraordinária durante muito tempo, à Misericórdia do Porto, ao movimento monárquico fundando a Real Associação no Porto, às Confrarias e Ordens Militares e Religiosas (com intenções de beneficência) desde a do Santo Sepulcro, à de S. Maurício, à de N.S.ª da Conceição de Vila Viçosa, à Ordem de Malta…

Teve uma vida plenamente realizada, segundo ele próprio, porque trabalhou com discernimento e persistência, com coragem e vontade de vencer. Confessou um dia gostar de definir caminhos e objectivos, de participar, de procurar um sentido para a vida. Gostava de explicar a outros como a nossa existência poderia ser melhor se trabalhássemos todos para o bem comum. Afirmava que, através da profissão, se sentia integrado numa comunidade da qual e para a qual vivia. E na comunidade, estimava ser apreciado, sentia-se bem no meio de todos (ou de muitos), vivia para eles a ponto de se deixar absorver pelos seus problemas (palavras suas).

De modo que, para o Alcino, não houve fortunas herdadas nem reformas milionárias nem pensões semelhantes; nem tampouco subsídios, indemnizações, altas recompensas e coisas semelhantes apesar da importância dos lugares que ocupou: apenas o trabalho teve valor. E serviu e chegou para o que pretendia fazer da sua vida. Afirmo que ele conhecia e apreciava as vidas dos heróis clássicos e as dos santos, a sua vida foi a de um desses heróis que importa agora dar a conhecer.

 

Assim: ele foi o que quis ser. Definido o caminho, seguiu-o. Essa vida que escolheu viver foi baseada no trabalho apaixonado e inteligente que lhe permitiu construir tão próximo do próximo.

 

O que quero dizer é que celebrar a sua vida é um acto de justiça.

Nesta época de queixas e de acusações, a sua atitude dinâmica foi exemplar e é uma lição. Parece-me justo pensar que outras homenagens nesta cidade vão ser prestadas; que é uma aspiração legítima nossa, da família e dos amigos, prolongar a sua memória que é o que este clube - os seus ilustres membros - estão a realizar, como europeus orgulhosos da uma civilização de subidos valores tal como é o apreço pelos que contribuíram para o bem comum de forma pouco comum. 

E que contrariam, contrariam, com esta atitude respeitosa o que se diz: que este tempo sombrio é o do “desesperante declínio da nossa civilização”. Não é, enquanto evocações como esta acontecerem.

Muito obrigada.

Zilda Cardoso 

(

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:56

VER NO ESCURO

por Zilda Cardoso, em 29.03.14

 

 

Nestas últimas semanas de muitos afazeres, quase esqueci as ervas aromáticas minúsculas que lutam por crescer na minha varanda junto do mar. Dependem de mim e pedem atenção.

As flores … entrevi aquelas duas enormes do Cargaleiro sobre fundo vermelho, uma cor-de-rosa, outra azul e turquesa, e as miudinhas das travessas de porcelana oriental pregadas na parede.

Algumas vezes, durante este tempo, vi de soslaio, lá fora, o ar luminoso ou a chuva que cintila, o nevoeiro cinzento e zangado ou, pelo contrário, o que tem também luz, e as nuvens caprichosamente encaracoladas, admiráveis, mas nada verdadeiramente me impressionou. Reparei sim nos vidros sujos, no vento que teima em entrar pelas frinchas, nos muitos ruídos das inúmeras máquinas de cada apartamento deste prédio de muitos andares e muitas obras, e noutras desagradáveis realidades.

 

 

 

 

É fácil viver num andar alto, plano, sem escadas e sem outros inconvenientes trabalhosos, mas não é bem numa casa. Não posso tocar no céu nem na terra; só com o olhar, se tiver muita vontade. Estou longe de tudo. É um mundo de interesses que dificilmente se conjugam: que carinho encontro, que carinho dou? Não parece o lugar apropriado para uma relação familiar.

Porém agora no espaço remodelado onde estou cerrada, branco e imaculado, posso ligar tudo isto que vejo daqui - as aromáticas, os brilhos diversos do ar, os sorrisos sedutores e abertos do mar, os seus silêncios e um larguíssimo horizonte com pássaros contra o azul. Posso ligar tudo também com um pouco do caminho que costumo percorrer.

Calculo que o ar fresco seja muito do agrado dos pássaros que voarão com entusiasmo para sudoeste quando começar a escurecer.

Ontem quando a luz natural se apagou, foram os relâmpagos todo-poderosos que iluminaram o cenário, vindos talvez das profundezas mais sombrias, não sei.

  

  

Saí à varanda para perscrutar: os ruídos dos trovões eram outros ruídos.

É para mim uma época agitada, esta, em que preciso de soluções, decifrações, conclusões, umas e muitas, e não encontro. Tenho perguntas e confusão quando desejo o entendimento que sempre quis.

Com tristeza, penso por que estão os meus pais muito longe, desejariam poder apoiar-me delicadamente. Penso neles agora: deslindariam. Eles deslindariam com amor.

Talvez não necessite de grande clareza de raciocínio: preciso apenas de ver no escuro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

Todas as máquinas nascem com instruções

por Zilda Cardoso, em 16.03.14

Esta máquina fotográfica digital sem espaço na memória… para que me serve?

De súbito, dei-me conta de que ignorava como eliminar fotos já daqui passadas para o computador. Tento uma coisa e outra e… não é. Não é isso.

Tirei apenas duas em Serralves: uma à magnífica magnólia arroxeada e outra ao rododendro vermelho. Acabou. Tinha-me esquecido dessa possibilidade e… vim ao Parque fotografar as cores deste dia como se viesse descalça.

Terei coragem para perguntar a algum desconhecido como se eliminam…?

Achei que estava preparada para fixar centenas de imagens brilhantes de um dia esplêndido de sol, como este! Meu Deus, quando me conciliarei com as instruções das máquinas?

Ao fim de duas horas de considerações idiotas e muito rebatidas, acometi uma jovem com ar solícito, pedindo-lhe para eliminar todas as fotos em memória na minha máquina. (Não lhe perguntei se sabia, naturalmente). O que ela fez com a maior das facilidades sem consultar nenhum manual.

Está tudo lá inscrito em ícones expressivos. Veja, disse-me, clica aqui e aparece isto, clica acolá e aparece aquilo. Já está. Já estão todas eliminadas.

Fiquei…! Em poucos segundos, quedou tudo decidido. Foi só necessário ter nascido nesta época.

A mim pareceu-me prodígio.

Agradeci-lhe duas ou três vezes, penhorada, cheia de sorrisos. A certa altura, já distante, voltei atrás para agradecer de novo, pela quarta vez, perante o seu espanto.

Será que eles e elas sabem que é isto que têm para nos ensinar? Que tudo-o-mais é connosco!? (Bom, quase tudo-o-mais). E foi connosco?! E com os que nos antecederam?!

Será que sabem que têm um longo caminho a percorrer sob a alçada dos mais velhos?

Terão sempre um percurso a completar com os mais velhos enquanto estes existirem.

É bom que valorizem o que sabem - o que lhes foi ensinado e o que inventaram ou descobriram.

É bom que valorizem o que receberam de herança partilhada e não esqueçam que o que inventaram não foi do nada. Há um complexo contexto histórico e há um silêncio.

Não precisam de levantar muito o queixo, apenas carecem de ser inteligentes. E constato com alguma tristeza: há poucos destes à minha volta. Felizmente, há biliões noutros sítios, por isso, o mundo continua a rolar serenamente. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:32

As camélias na Câmara do Porto

por Zilda Cardoso, em 13.03.14

 

 

 

Gosto sempre de ver as camélias todas juntinhas em magotes distintos sobre o relvado, sem folhas a complicar – sabem,  aquelas folhas gordas, bonitas, duráveis, lustrosas, bem desenhadas que ficam cândidas mesmo na jarra sem flores. Aprecio ouvir chamar Rosas do Japão às camélias e prestar atenção à sua história. Acima de tudo, à história que liga a do Japão a esta, portuense.

Os turistas adoram e havia japoneses, no sábado passado, a sentirem-se o começo de todas as coisas.

Muitos jornalistas a quererem fotografar tudo, empurrando, acotovelando para a melhor imagem, a de primeiro plano. Quase gostei de ver porque, desta vez, a estrela na passadeira vermelha era a Camélia do Porto.

Havia muito diferentes cores, distintos tamanhos, explícitas organizações de pétalas e de estames. Achei que elas estavam ligeiramente desconfortáveis ali, na Câmara Municipal, na imponência do edifício, no átrio de recepção.

  

 

Estavam acanhadas e não muito sorridentes, eram lindas, quand même.

Havia-as de cor carregada, cardinal, pétalas quase transparentes, algumas com o centro fofo de várias cores, amarelo e rosado como um pompom de estames, maiores, mais pequenos. E havia-as brancas duma perfeição cuidada, inteiramente regulares, belíssimas, sem um ponto a destoar. E cor de salmão ou de coral, grandes. E vermelhas, claro, todos os tons de vermelho e de rosado. Não havia amarelas, mas quem se importa?

  

 

 As pétalas eram redondas, pousadas e dispostas na base como a fruta de uma tarte de laranja ou doutros frutos a partir do centro. Outras camélias mostravam as pétalas de pé e podiam terminar em bico. (Nunca antes tinha reparado nestas).

 

 

 

Algumas pétalas são grandes, colocadas em camadas bem visíveis, muitas camadas… umas, muito menos camadas… outras, às riscas brancas e rosa ou às manchas, com delicadas pinceladas, apenas nas pontas ou por toda a flor, com cuidados de geometria aplicada ou um pouco à bruta…

Havia-as minúsculas e havia-as enormes, volumosas e singelas, com apenas seis pétalas ou com tantas que lhes perdi a conta, com o centro amarelo e atraente em fios de pé terminados em almofada ou pétalas iguais às outras, se bem que dobradas e redobradas para ocuparem pouco espaço…

 

 

Tenho que voltar a ver… Fiquei muito alvoroçada.

No entanto, elas preferem estar no Palácio de Cristal com vista para o jardim, estou convencida disto, por favor. Que tal dois lugares de exposição!?

Numa cidade que dizem cinzenta, granítica e triste, elas são a nossa alegria em pleno Inverno. É agradável vê-las a serem bem examinadas, recebidas no City Hall, o Presidente a fazer o seu discurso e tal, os jornalistas e as flores em volta a decorá-lo e a gravar, os visitantes a apreciá-las num lugar largo e aberto mas, digo, elas prezam o jardim onde estão à vontade.

Tal como a cidade, são frescas, modestas, delicadas, sensíveis, muito belas e simples mesmo quando são complexas e aristocráticas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:03

O sorriso do Gato Cheshire

por Zilda Cardoso, em 28.02.14

Tenho andado por aí a semear sorrisos - sem grande resultado. Se bem que a princípio o fizesse com muita convicção, o desfecho nunca foi o esperado.

Os amigos tinham-me recomendado: sorri, sorri… semeia, semeia... E eu…

Sorrir é bom, diziam-me, e muito conveniente, além de agradável.

Sorrir parecia então prometedor, mas já não tenho a certeza: fartei-me de semear e nada nasceu nem mesmo em tempo de chuva e temperatura primaveril.

Então qual o interesse em continuar…?

 

Possivelmente, percebi mal e os sorrisos não eram para derramar/propagar nem, por conseguinte, para nascer, crescer e multiplicar-se. Seriam para condimentar, espécie de especiaria cheia de propriedades terapêuticas, perfumada e colorida, chegada da Índia na última Caravela dos Descobridores. Para melhorar o sabor de qualquer coisa que eu oferecesse. Ou para aperfeiçoar a receptividade ao que apresentasse ou me fosse apresentado.

De qualquer modo, hoje, não encontro nada que se pareça com o que pretendo ter semeado.

Vejam, eu julgava...

Mas não sei por que me obstino em pensar no tema já que reconheço que só têm valor e verdade dois tipos de sorrisos impossíveis de encontrar a não ser em fantasias compulsivas.

Na minha vida, calculava ter visto pelo menos um: o meu já antigo. Inalterado. Ao espelho. 

Estava redondamente enganada. Nem esse vi. Não existe!

 

Os sorrisos verdadeiros, os que vale a pena considerar, são os das personagens de autores tão importantes como Tolstoi ou Agustina. Isto é uma constatação!

Ou o do gato Cheshire. O gato desaparece e o seu sorriso fica no ar (ou nos ramos?) por muito tempo onde antes estava, no mesmo lugar, na cara do gato. Mas daí a pouco, reaparece o gato, ele e o sorriso, para repetir a façanha de desaparecer e aparecer, desaparecer e aparecer, não sem antes ter conversado com a sua amiga Alice.

Adoro aqueles dois, o gato e o sorriso que ambos povoam a minha imaginação desde que os vi pela primeira vez, há milhares de anos, no País das Maravilhas.

Aparecer sorridente e desaparecer deixando lá o sorriso… não posso imaginar nada mais fantasioso e inteligente.

Do mesmo modo, apreciaria que o meu sorrir se prolongasse no tempo e na memória de quem o visse como o dessas personagens importantes. Se eu fosse viva como elas e marcante, ele, a existir, duraria pelo infinito fora. Ou desapareceria e reapareceria como o do gato da amizade da Alice.

 

As grandes personagens, mesmo as de Proust, quando sorriem é para todo o sempre ou para muito muito tempo. As pessoas não se esquecem de como é belo e inspirador, recordam-no.

Se eu fosse personagem de ficção nem precisava de estar satisfeita comigo nem com o mundo para sorrir; não precisava de ter o mundo a meus pés nem sequer ao meu redor.

Sorriria, fosse pelo que fosse (incluindo todas as intenções) e toda a gente estaria feliz, imitar-me-ia com prazer.

Oh! Seríamos todos felizes como os príncipes, as princesas e as fadas dos contos de outros tempos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58

pensamentos canibais

por Zilda Cardoso, em 03.02.14

Faço-me boa companhia, as mais das vezes. A escrita ocupa-me, porque o meu trabalho não é transcrever o que foi escrito por outrem. É transformar em escrito o que é por mim pensado.

Este pensado, este pensar é o que verdadeiramente me ocupa. E me faz companhia.

E, de certo modo, o pensado e o escrito estão intimamente ligados - não há escrita original sem pensamento conquanto haja pensamento sem escrita.

O pensado-e-escrito pode chegar-me de maneiras distintas. Para mim, há duas formas de escrever: uma é servir-me dos pensamentos que me ocorreram genuinamente e logo antes do acto da escrita.

Que são de estrutura muito frágil e se afundam facilmente. Qualquer mínima interrupção ou ruído pode fazê-los desaparecer da minha mente para sempre. 

Mas eu persigo-os, sofrendo. Como se persegue uma ilusão.

Por isso, sinto o drama de não contribuir para o bem da humanidade (!) com um pensamento fulgurante, original e redentor apenas por que o deixei escapar com negligência. Que me tinha sido oferecido e não aproveitei.

E fico triste sabendo que não há nada mais triste do que perder um texto, nada. Nesse então, acho-me francamente só…

E perdida do sentido, de todo o sentido.

Mas pode acontecer que consiga escrevê-los, os pensamentos prodigiosos, e sentir-me espécie de mensageira, por muitos momentos, afortunada e em boa companhia, concentrada a ponto de não deixar escapar o sentido. Ponderando ainda que as palavras podem ser aquelas ou outras.

A outra forma é pensar num tema e aproveitar sobretudo os conhecimentos, as emoções, a memória daquilo a que o posso ligar e passar isso directamente para o papel. Quero dizer, sem aquela soberba e cúmplice matriz de que falei, apenas o tema a orientar-me.

Parto do pressuposto de que o tema que preferi é interessante e baseio-me em pensamentos que estão enraizados em mim, confusos e desordenados. E que organizo da maneira que sei, com o olhar posto no que quero atingir.

A diferença entre uma forma e a outra é que no primeiro caso transformo em escrita legível o que foi inspiração de momento, que elaborei simplesmente tecendo os vários elementos próprios da minha estrutura de pensamento antes de utilizar algum meio prático de gravação. E que me arrisco a perder tudo se não o fizer rapidamente.

O que pretendo é não deixar que se apague o que veio não sei de onde para mim como uma luz. Não o experimento como meu, mas como depositária que sou de um bem ou de uma revelação que devo estar apta a transmitir a outros.

Tanto para registar o que me ocorre desta forma como o que escolho e teço com o meu corpo e alguma técnica, como ainda aquilo em que faço interpenetrar uns pensamentos e os outros das duas origens, elaborando o texto, tenho de ganhar distância. Não devo estar envolvida de muito perto no que conto.

E escrevo na presunção de que o que conto e de que falo, seja o que for e qualquer que seja a sua origem, poderá interessar quem o ler. Ou não, dependendo mais da forma como está concebido e inscrito do que do acontecimento.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15

Um dia encantador

por Zilda Cardoso, em 01.02.14

 

 

 

 

 

 

Passeei à beira-mar, como é hábito, de máquina fotográfica em punho. Queria apanhar umas imagens daquele mar danado,  atirando-se  tolamente contra os paredões , subindo em súplica (!) feito espuma cinzenta no céu….

O vento era gelado, de vez em quando caía uma chuvadinha  com ou sem granizo que logo parava e deixava o sol entrar em cena.

 

 

 

Por isso, ninguém se recolhia: ia apanhando o que vinha, sol ou água de gelo, vento ou outra coisa.

As minhas fotografias não saiam, esperava por aquela onda, cheguei sempre atrasada ou muito antes do acontecimento, azar o meu.

  

 

 

Com ou sem cameras as pessoas observavam as ondas encostadas ao muro em frente ao sol. Já de longe gritava alguém para outro  alguém: olha aquela onda, olha a altura da onda... e aproximavam-se.

Um belo cão cinzento de olhos azuis ladrava inquieto, talvez com mau pressentimento.

Regressei. Já tinha que chegasse de aragem salgada com todos os minerais possíveis dissolvidos.

 

 

 

 

Cheguei a casa e parei surpreendida e cativada. O sol… estava lá, no meu espaço, parecia ter vindo para ficar. Iluminava tudo e aquecia o meio. A sala era um esplendor: nada tão bonito, radioso e cintilante.

A minha casa… que quando saí estava murcha e invernosa… A minha casa!

 

 

 

 

Acolá estavam as pequenas orquídeas cor-de-rosa e os quatro corações a fermentar, lá estavam as laranjas na taça sobre a mesa pintadas daquela cor especial e fresca de Van Gogh; o grande mar caseiro de Noronha da Costa ria-se na parede do fundo. Além eram as fotografias que aprecio junto do pássaro de grande bico metálico muito quieto.

Foi muito gratificante.

 

Mas, bruscamente, o sol escondeu-se por detrás de nuvens espessas e de lá das nuvens espreitou para cá. Tudo ficou sombrio, e não voltou ao princípio ou atrás para repetir porque aqui nunca há recapitulação de coisa alguma. Com estes componentes não há.

É outra hora, outro dia, outra história que começa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:52

o desequilíbrio dos dias

por Zilda Cardoso, em 31.01.14

 

 

Não descubro forma de me adaptar a este horário de Inverno: dias de dez horas, noites de catorze.

É pelo menos leviano e imerecido, tudo isto. Não se entende.

Interessa-me saber que quem trata do assunto: que ministério…que patrono… que universidade... que laboratório?

Há algum compromisso indizível? É tradição enraizada?

Talvez uma cumplicidade.

 

Noite é o que tenho mais para viver. Mas fatigam-me as luminárias, os lampiões, as lamparinas, as lanternas, as candeias, as lâmpadas…! Será que os nossos olhos foram feitos para suportar essa luz rude? A luz da noite?! Cheia de bruma? E com chuva a embaraçar mas dissimulada, caindo devagarinho?!

 

Me falha, pela madrugada, o Sol com maiúscula, esse personagem com estatuto icónico de que serei para sempre nostálgica

o brilho do mar

os diversos fulgores coruscantes.

E o mais… atropelando-se.

 

Sonho viver num país onde more uma reverberação profunda em permanência e os pássaros cumpram, todo o ano, a refutável missão de cantar e bater as asas para meu regalo. Justamente para meu regalo. Ou para contentamento de toda a gente que se deleite com, claro.

 

Um sol que brilhe e uns pássaros que cantem! É isso. E mais: onde haja transparências e aqueles silêncios copiosos que não são minados sequer pela cadência da música delicada que admiro.

 

Onde haja o que me incendeia o pensamento. Ou uma epifania.

 

Nada na noite aqui tem essa força sedutora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:31